Archive for the ‘Partilha de experiências’ Category

Partilha de BOAS experiências

 

      O ser humano tem uma tendência natural para se queixar. E o catequista não foge à regra. Umas vezes são os miúdos que se portam mal, outras são os pais que não aparecem às reuniões ou então, o padre que não dá apoio!…

      Tentando contrariar esta tendência, proponho que partilhemos aqui as BOAS experiências vividas na catequese. Coisas pequenas, mas significativas, que correram bem, coisas que pareciam ter corrido mal mas que deram bons frutos, músicas me marcaram, momentos de oração que emocionaram, etc. Decerto que há muita coisa boa para partilhar.

      CONVIDO TODOS OS CATEQUISTAS a partilharem aqui as suas boas experiências vividas com o seu grupo de catequese.

//

Comentários do antigo blog no Windows Live

Alguém no Windows Live – 11 Jan., 2008 

Pelo “Partilhas em Fa menor” cheguei aqui!
Há alguns anos fui catequista do 10ºano e uma das grandes alegrias que tive foi ver que pelo menos duas jovens continuaram a ajudar na catequese da paróquia.
Logicamente eu fui o último elo da corrente, porque quem lhes deu catequese nos outros anos fez um óptimo trabalho.
É muito compensador o trabalho que dá a catequese quando acontecem estas coisas.
Abraço em Cristo
joaquim
queeaverdade.blogspot.com
 
Fátima Ramos – 12 Jan., 2008

Olá Celina!
Estava a ver que nunca mais aqui comentava! Mas, enfim, cá estou!
Olha, amiga, já sou catequista há muuuuitos anos, e faço parte da coordenação da catequese aqui na minha paróquia. Já estive com o 4º ano, o 6.º, o 7.º, o 9.º e o 10.º. Também já fiz preparação de afdultos para o crisma. Só te digo que é muito gratificante quando vemos que aqueles meninos que nos passaram pelas mãos depois continuam ou a dar catequese tb eles, ou no grupo de jovens, enfim continuando sempre  a sua caminhada de fé. É claro que tb muitos ficam pelo caminho, e isso é muito triste, já me senti quase desanimar quando num ano, depois de receberem o crisma, nem um nunca mais se lá viu. Mas graças a Deus que alguns vão permanecendo firmes. Aquela música que tenho agora a tocar no meu blog é daqueles que permanecem…
Beijinhos e muita força nesta luta!
Fa-
 
celina machado – 13 Jan., 2008

Obrigada, Fá!
São testemunhos assim que nos ajudam a continuar! Por vezes, os jovens desaparecem depois do crisma mas a semente fica e acabam voltando já adultos. Nós plantamos as sementes, Deus colhe os frutos e Ele tem todo o tempo do mundo! Ele espera até que estejamos prontos para voltar à Sua casa.
Beijos e fique com Deus.
 
silvino . – 14 Jan., 2008 

boas experiências? ora bem, em contra-mão..
miúdos se portam mal? tenho muitos, mas há algumas semanas atrás fomos com eles à igreja, fazer um #tour#, para conhecer os santos dos altares e ver o lado de dentro do sacrário.. e conseguiram portar-se tão bem que até a irmã sacristã elogiou 🙂
pais que não aparecem à reunião? tenho muitos também! ainda assim, já consegui fazer uma reunião “decente”, onde os poucos que estiveram deram um feedback muito positivo!
o padre não dá apoio? quando não vai contra a catequese, já é bom.. de qualquer forma, isso não o impede de se querer adaptar. o nosso pároco está cada vez mais acessível nas celebrações-“festa” e os missionários da consolata já só fazem escala com padres jovens para a missa vespertina semanal com as crianças =D
 
silvino . – 14 Jan., 2008

ups.. esqueci-me de assinar!
silvino (do procatequista)
 
celina machado – 14 Jan., 2008 

Olá, Silvino
Gostei da ideia do “tour”.
Obrigada por comentar e fique com Deus.
 
Nantília Correia – 20 Jan., 2008

 Olá! Boa noite!
Que bom aproveitarem e trocarem idéias e sujestões para trabalharem na catequese!
Os meninos são assim mesmo, mal comportados por vezes, mas ávidos por conhecerem.
Lancem a semente! Semeiem com alegria! Pois esta contagia e atrai. Falem mais pelo exemplo, pela partilha do que foram, fizeram, aprenderam e vos foi ensinado na idade deles. Quando partilhamos com eles alguns momentos da vossa infância eles olham para vós de outra forma e passam a acreditar que um dia conseguirão superar as suas dificuldades e que serão capazes de chegar a Deus.
Nunca dei catequese na igreja, mas durante 32 anos, dei aulas de religião e moral. Aproveitava todas as oportunidades para catequisar para o amor e respeito ao próximo e a si mesmo, pois só quem gosta de si e se respeita é capaz de amar a Deus. Pois se cada um de nós é igreja…tem Deus em si mesmo.
Não desanimem! Criem regras de funcionamento para o grupo. Mas incentivem-nos a serem eles a criarem as regras de bom funcionamento. Cada um diz uma regra e escreve-a. Responsabiliza-os.
Bom trabalho!
Um beijo para si Celina.
Nau 
celina machado – 20 Jan., 2008

Querida amiga Nau:
Obrigada pela sua partilha e pelas dicas. Gostei de serem eles a fazerem as regras. Normalmente, quando os responsabilizamos eles são ainda mais exigentes com eles próprios que nós.
Obrigada pelo apoio.
Um beijo, Celina
 
celina machado – 3 Fev., 2008

Encontrei em http://partilhar.wordpress.com/ uma catequese diferente feita por Maria José, uma catequista da Lama.
Vale a pena ver pela sua simplicidade e significado.
 
Jose – 26 Fev., 2008 

Eu costumo dizer aos catequistas, que aprendam a fazer com que as suas catequeses sejam significativas, isto é, que tenham algo a dizer à vida e à situação concreta de cada criança ou jovem. Que saibamos aproveitar e dar valor às experiências e sentimentos pessoais. Para isso é preciso ouvi-los e conhecê-los. As crianças só nos ouvem se as ouvirmos primeiro a elas.
Nunca nos esqueçamos que a catequese é para a vida, e tem de ser concretizada na vida. Caso contrário, corre o risco de ser inócua.
Aturar os miúdos é difícil. Eu sei. Mas já tentaram colocar-se no lugar deles?
Outro desafio que lanço é que aprendam a concretizar as ideias que pretendem partilhar. Tornem-nas visíveis, não abstractas. Deixemo-nos de teorias, por mais bonitas que elas sejam.  Elas fazem falta, mas…
Aprendamos com Jesus, o verdadeiro catequista, a falar com as pessoas: Jesus falava-lhes em parábolas. E através delas as cativava. Ele falava ao coração. Ele olhava bem dentro dos olhos. Ele colocava-se no lugar do outro. Ele lançava desafios. Ele sabia ouvir. Ele falava com sentimento. Não tinha medo de se envolver. Não teve medo de escandalizar os tradicionalistas. Soube utilizar a linguagem apropriada aos ouvintes. Utilizou muito a simbologia. Sabia tocar. Sabia sorrir. Sabia estar.
partilhar.wordpress.com
 
Daiana – 29 Fev., 2008

Olá… queridos e queridas catequistas, venho expressar minha profunda consideração com vosso trabalho para Deus junto à igreja… e dizer-lhes: “Jesus está contigo”… em todos seus encontros, na sua casa, na sua vida… e por isso ser catequista torna-se um hábito saudável e compensador…
à Todos um bom Ano catequético… Beijos Daiana… end orkut.. Catequista Daiana de Maracaju MS
 
Sofia Ventura – 29 Abr., 2008

Olá! Não podia deixar de partilhar tb convosco as coisas boas da minha vida enquanto catequista. É certo que nem sempre corre bem, aliás há uns anitos atrás pensei em desistir desta árdua tarefa, pois se por um lado o grupo de crianças era problemático, por outro as condições eram péssimas…Contudo, e após algum tempo, as crianças cresceram, tornaram-se adolescentes, e hoje, embora com um grupo mais reduzido, já no 10º ano as coisas correm naturalmente bem! Existe amizade entre nós, criam-se dinâmicas interessantíssimas nos encontros, e apesar das condições(nomeadamente ao nível das infra-estruturas e material de apoio) continuarem practicamente na mesma, o gosto de estarmos juntos com cristo é tal, que se conseguem ultrapassar as coisitas menos boas! Em suma: é com muita pena, de lágrimas nos olhos mesmo, que vejo a minha despedida ao grupo no final deste ano!!
 
Rosilene Almeida – 17 Maio, 2008 
Oi!!! Celina eu sou catequista a 6 anos comecei com 14 anos pela necessidade de minha paróquia , hoje estou com turma de 3ºda primeira comunhão, não vou dizer que está fácil, porque está bem difícil, os pais não ajudam a catequiza os seus filhos acham que é apenas responsabilidade da catequista, não tem uma participação na igreja não é nada fácil pois a influencias dos pais é fundamental  são eles que passa semana toda com seus filhos, outra coisa que dificulta a catequese é falta de material, eu tenho um sacerdote que graças a Deus tenho um amor profundo pela catequese,  e tem a consciência que a vida da igreja começa na catequeses são essas crianças que vão ser os sacerdotes as religiosas os pais de família do amanhã, elas são o futuro da igreja essa é verdade. O que eu posso também afirma é: Ser catequista é umas das coisas, mas bela no mundo, samos nós catequista planta uma semente dentro de cada criança, mesmo sem os pais não estando presente, mesmo sem material, eu posso ver os frutos começando a madurecer na minha catequese. Hoje eles vão, não porque o pai mandão os filhos ir, eles vão porque querem ser igreja, eles têm um desejo dentro do coração de receber os sacramentos isso é muito bom, é gratificante, eu posso te dizer com uma imensa alegria. Celina é muito bom partilha as maravilhas da catequese. Hoje eu aprendi muito no seu site, uma nova experiência para passa para os catequizando.
Catequistas lembrem que devemos está abertos para o novo, à catequese de hoje é um pouco, mas difícil que de ontem, o mundo globalizado está alcance deles, e temos apenas algumas horas uma vez na semana, que devemos aproveita o máximo dela.
Que Deus abençoe a todos, beijoss…
Rosilene
 
Maria – 18 Maio, 2009 

oi celina
 
celina machado – 20 Maio, 2009

oi
 
ft —- – 20 Maio, 2009

A Catequese mais do que transmissão de informação é partilha de vida. A primeira coisas que Jesus disse aos seus Discípulos foi “Vinde e Vede” iniciando com eles uma partilha de experiências. Assim o catequista não se limita a falar de coisas que leu em livros ou ouviu a outros. Fala de dentro, da sua própria experiência, comunica a sua própria história relacional com Deus.
Esta comunicação pressupõe o testemunho. O catequista não pode falar de fraternidade e a sua vida exprimir egoísmo.
Esta premissa representa um compromisso e uma responsabilidade muito fortes para um catequista.
O Catequista caminha com o seu catequizando à semelhança de Deus que caminhou com o povo no deserto e continua a caminhar com a humanidade.
BJS
 
Monica Barbieri – 27 Jul., 2009

PARABENS pelo site/Blog
Partilhar materiais, partilhar experiencia, partilhar conhecimento… PARTILHAR é um dom de Deus
Amei seu site, salvei muitos materiais que, agora, vou partilhar com outros catequistas.
Que Deus continue abençoando e iluminando todos vocês!
monica Barbieri – RJ
 
josimar araujo – 2 Fev., 2010

Josimar ,Macatuba São Paulo .
Experiencias boas já veem pelo fato de você ser catequista e isso comigo há 9 anos seguidos,nunca me mantive numa unica etapa da catequese sempre escolhi crescer junto com meus catequisandos.Sempre mostrei pra eles que eu mais aprendia com eles do que poderia ensinar,isso dá a eles a oportunidade de tambem falar,dá a eles confiança.
Uma vez ensinei o poder da oração,foi lindo diante de Jesus Sacramentado aqueles pequininhos de joelhos de olhos fechados e alguns a té mesmo chorando,vale a pena.Continuem nessa missão Deus precisa de cada um de nós.
E se os pais não vão as reuniões arrume um tempo vá até eles e experimentarão uma coisa magnifica e nova.