Vigília Missionária – 31/10/2016

As Estrelas Missionárias, em conjunto com a Pastoral Vocacional, celebraram a vigília missionária com Maria, como missionários da misericórdia.
Misericórdia é a atitude divina que abraça, é o dom de Deus que acolhe, perdoa.
– Qual foi a última vez que nos sentimos abraçados por esta misericórdia?
– Queremos que a misericórdia também faça parte do nosso dia-a-dia?
– Qual é o caminho para sermos missionários da misericórdia?
Deixemo-nos interpelar por estas perguntas e façamos como Maria, que se pôs a caminho e foi visitar a sua prima Isabel. É hora de também nós nos pormos a caminho e pormos a render os nossos talentos, criatividade, sabedoria e alegria para levar a mensagem de ternura e compaixão de Deus a toda a criatura.

dsc09780

Festa de Acolhimento

Hoje os meninos do 1º ano de catequese celebraram a sua Festa de Acolhimento.

Parabéns aos pais que decidiram educar os seus filhos na fé inscrevendo-os na catequese e parabéns aos meninos que estavam muito animados e deixaram o nosso altar mais florido.

Que cada um destes meninos deixe Jesus florescer no seu coração!

img_20161008_181236

Pe. Manuel Silva Pereira | 1932-2016

p. manuel1

26 de março de 2006 – Comemoração do 3º centenário da igreja matriz e inauguração do centro social paroquial

 

Foi hoje a enterrar o Pe. Manuel da Silva Pereira. No Pinheiro da Bemposta, paróquia que durante quarenta anos orientou, a comunidade despediu-se com tristeza e gratidão pelo serviço prestado.

Manuel da Silva Pereira, nasceu a 17 de Outubro de 1932, em Bairros, Castelo de Paiva. Tardiamente descobriu a vocação e só com 18 anos de idade completou a 4ª classe já com o objectivo de seguir o sacerdócio.
À ordenação sacerdotal na Sé Catedral do Porto, já com 30 anos de idade, seguiu-se um longo apostolado ao serviço de várias comunidades. Primeiro como coadjuntor em Sendim (Vila Nova de Gaia) e depois como pároco em S. Lourenço do Douro, Magrelos (Marco de Canaveses) e por fim em Pinheiro da Bemposta e Santa Maria de Ul (Oliveira de Azeméis).
Em S. Lourenço do Douro, o Pe. Manuel da Silva Pereira já fiel às orientações do concílio Vaticano II recentemente terminado, constrói uma nova igreja aproveitando parte do antigo templo mas “colocando o altar como ponto central. Mas os olhares não se quedarão por aí: imediatamente os olhos se levantarão para o alto, e para a cobertura da Igreja, feita de forma ímpar, arrojada, que nos fará contemplar melhor toda a construção. Merece visita demorada, esta Igreja de S. Lourenço do Douro”.
A 3 de Março de 1974 dá entrada na paróquia de Pinheiro da Bemposta como seu responsável. Inicia um longo e profícuo trabalho pastoral nomeadamente ao nível catequético e reorganiza a gestão da paróquia dando início a um profundo trabalho de restauro das diversas capelas e da igreja matriz, sendo também construída sob a sua liderança a nova capela de S. Luís, no lugar de Figueiredo.
Consciente da nova realidade demográfica que afecta o país e a comunidade local, a paróquia dá início, primeiro a construção de um Centro de Dia e mais tarde um Lar de Idosos, equipamentos sociais que se têm revelado fundamentais para dar resposta ao envelhecimento da população e às novas realidades das famílias. Ao longo dos anos tornou-se um hábito a doação do Folar da Páscoa ora para as obras do salão paroquial, ora para as obras na igreja ou para o Centro Social e Paroquial.
Faleceu a 24 de Março de 2016 precisamente no Lar que construiu e que escolheu para viver os seus últimos dias.
Parece-me indiscutível a importância do seu papel no desenvolvimento local na freguesia do Pinheiro da Bemposta nos 40 anos que desempenhou funções pastorais. Um papel que não pode ser esquecido pela comunidade que deve perpetuar o seu nome na toponímia e também no Centro Social Paroquial.
Paulo Oliveira

Homilia nas Exéquias do P. Manuel da Silva Pereira

Homilia nas Exéquias do Padre Manuel da Silva Pereira

1.ª Isaías 25, 6 -9

     2.ª 2 Cor. 4, 14 a 5,1

          Ev. Mt. 5, 1-12

1.Reunimo-nos, irmãos, nesta igreja matriz de S. Paio de Pinheiro da Bemposta, para celebrar nesta sexta-feira santa as exéquias solenes pelo Padre Manuel da Silva Pereira, que aqui foi pároco desde 29 de fevereiro de 1974 a 29 de julho de 2013.

A Igreja neste dia não celebra a Eucaristia. Celebra, pela tarde, em hora próxima da hora da morte de Jesus, a liturgia da Paixão do Senhor e da adoração da Cruz. Inicia-se essa celebração pela proclamação da Palavra de Deus, continuada na narração da Paixão e seguida de uma longa oração universal, e centra-se, depois, na adoração da Cruz, concluindo-se na comunhão do Corpo de Cristo.

Antecipamos neste extremo sul da diocese, de certo modo, nesta manhã a celebração de sexta-feira santa junto do Padre Manuel, que partiu ao encontro de Deus. Já ontem, no dia da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio, os sacerdotes de toda a diocese, reunidos em tão belo testemunho e em tão grande número para a Missa crismal se uniram em oração ao Padre Manuel.

Hoje estamos aqui em torno dele e em gratidão a Deus por ele. Aqui trabalhou ao longo de trinta e nove anos e daqui alargou a sua missão a Santa Maria de Ul, de que foi Administrador Paroquial, nesta mesma vigararia de Oliveira de Azeméis. Aqui desejou regressar, segundo vontade sua, para estar de novo junto da Comunidade cristã de Pinheiro da Bemposta, que serviu generosamente. Cumprimos o seu desejo e aqui estamos com ele. Estamos com a sua Família, e muito particularmente com a sua Irmã Laura, que viveu sempre com ele, e viveu para ele e para as comunidades que ele serviu, como Pároco. Estamos em Presbitério diocesano, reunidos com o seu Pastor e com as comunidades cristãs que ele serviu.

2. Nascido na paróquia de Bairros, Castelo de Paiva, em 1932, o Padre Manuel entrou, já com dezoito anos, para o Seminário Menor do Porto. Ordenado presbítero em 1962, foi de seguida, durante um ano, Vigário paroquial de Sandim, Gaia, e daqui partiu, enviado pelo seu Bispo, para S. Lourenço do Douro, onde foi Pároco durante dez anos e aí nos deixou a bela igreja nova, por ele edificada. Os habitantes daquela terra, debruçada sobre o Douro, nunca o esqueceram porque sabem, ainda hoje, quanto lhe devem!

Conheci o Padre Manuel a partir dessa memória recordada pelas gentes do Marco de Canaveses e encontrei o Padre Manuel pela primeira vez, no verão de 1977, quando vim a esta igreja matriz presidir a um casamento. A delicadeza com que me acolheu e a alegria sacerdotal que me testemunhou marcaram, desde esse dia, a minha admiração por ele. Muitos anos depois, tive oportunidade de conhecer a sua proximidade e agradecer a sua colaboração fraterna dada aos sacerdotes seus vizinhos, da diocese de Aveiro. Ao ter conhecimento da doença que há anos o atingiu aqui vim já nesse tempo visitá-lo algumas vezes.

Todos sabíamos da doença que, dia a dia, o fragilizava mas a notícia da morte surpreende-nos sempre. A morte chega sempre de forma imprevista. Mas não pode abalar a nossa fé nem a nossa esperança!

3. Isso mesmo nos diz a palavra de Deus nas Leituras hoje proclamadas. A primeira leitura do profeta Isaías recorda-nos que: “ Deus destruirá a morte para sempre. Eis o nosso Deus de quem esperávamos a salvação. Este é o Senhor em quem pusemos a nossa esperança” (cf Is 25, 6-9).

Na segunda leitura, S. Paulo afirma o valor redentor da ressurreição de Cristo. Se Cristo ressuscitou, também nós ressuscitaremos. Não desanimamos. A tenda deste corpo mortal vai-se desfazendo e desmoronando, mas uma habitação eterna se adquire no Céu (cf 2 Cor 4, 14 a 5,1).

O Evangelho das bem-aventuranças, no texto de Mateus, é um programa de vida cristã e um hino à missão dos sacerdotes. É a síntese do Evangelho que pregamos. É a bênção que connosco transportamos. As bem-aventuranças são o que de mais santo somos chamados a construir e a realizar. No mundo de hoje, a braços com dificuldades várias, com crises acrescidas e com problemas maiores, saibamos todos nós dizer esta palavra de bênção evangélica e viver este programa das bem-aventuranças (Mt 5, 1-12)!

4. Mas a vida de um padre inscreve-se sobretudo naquilo que fica gravado no livro da Vida, guardado no coração humano dos vivos, que é sempre o melhor sepulcro dos mortos. A transformação espiritual, a renovação pastoral, a afirmação do Evangelho e a santidade que transforma a Humanidade e afirma o amor de Deus por cada um de nós nem sempre se vêem, não erguem monumentos nem promovem homenagens.

Sabemos todos, irmãos sacerdotes, que é Jesus que nos envia a servir as comunidades, com coração de pastor, ao jeito do seu coração de Bom Pastor. E o discípulo não é maior nem superior ao Mestre. É por isso chamado a seguir o Mestre e Senhor, que é Jesus, obediente até à morte e morte de cruz!

É de olhar fixo neste Jesus, suspenso e elevado no madeiro da cruz que percebemos que a morte não tem a última palavra. A palavra última, que é neste processo da morte de Jesus, necessariamente a primeira palavra para os cristãos, ouve-se a partir do sepulcro vazio: “Procurais Jesus entre os mortos. Não está aqui. Ressuscitou” (Luc 24,6 ). Que assim aconteça com o Padre Manuel de Pinheiro da Bemposta. Assim era conhecido e assim gostava de se identificar.

5. Quero, em nome da Igreja do Porto, saudar a Família, sobretudo a sua Irmã Laura, que sempre o acompanhou no longo tempo do seu ministério e ultimamente da sua doença. Devo igualmente agradecer às Comunidades cristãs que serviu e hoje aqui estão presentes.

A dedicação aos sacerdotes e o respeito pela sua memória abençoada são sempre sementes de novas vocações. Confio à protecção da Mãe de Deus e nossa Mãe, esta súplica e esta gratidão a favor de todos os nossos sacerdotes do Porto.

Pinheiro da Bemposta, 25 de março, sexta-feira santa, de 2016

António, Bispo do Porto

Santa Maria Mãe de Deus, Dia Mundial da Paz

O Senhor te abençoe e te proteja. O Senhor faça brilhar sobre ti a Sua face e te seja favorável. O Senhor dirija para ti o Seu olhar e te conceda a paz.” (Nm 6, 24-26)

paz

 

Sagrada Família

Sagrada Família

Família

“Como eleitos de Deus, santos e prediletos, revesti-vos de sentimentos de misericórdia, de bondade, humildade, mansidão e paciência” (Cl 3,12)!

poemas aos pais

Natal 2015

Natal

Alegra-te!

“Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor” (Lc 2, 10-11)!

Natal 2015 pb

Desafio semanal:

alegrate